Avó receberá salário-maternidade

Avó segurada do INSS que obteve guarda judicial da neta deve receber salário-maternidade

Justiça concede salário-maternidade a avó segurada do INSS
Justiça concede direito à avó segurada do INSS (Imagem: Pixabay)

O salário-maternidade deve ser estendido à avó segurada do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que obtém a guarda judicial, pois, apesar do impedimento à adoção, a situação de fato não difere daquela vivenciada nos casos de guarda judicial para fins de adoção, exigindo, da mesma forma, o afastamento da segurada do trabalho.

Esta foi a tese da Justiça Federal, no Sul do país.

A ação foi ajuizada em agosto de 2019 pela segurada. No processo, ela afirmou possuir a guarda da neta, que atualmente está com 4 anos de idade, desde o nascimento da criança. A autora declarou que é a detentora da guarda porque a mãe é dependente química e não pode cuidar da menina. Na via administrativa, o INSS negou o benefício alegando que a segurada não comprovou o afastamento do trabalho e que o termo de guarda que possui sobre a neta não tem a finalidade de adoção.

Leia sobre a União Estável

A 10ª Vara Federal de Curitiba, que julgou o processo pelo procedimento do Juizado Especial Cível, considerou o pedido da autora procedente. A autarquia foi condenada a pagar o salário-maternidade de 120 dias, com a data de início fixada no dia do parto em junho de 2017. A decisão estabeleceu que o pagamento das parcelas deve ser corrigido com juros de mora e atualização monetária.


(* Com informações do INSS – Via Ieprev – Leia a íntegra aqui )


Veja também na Aseapprevs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.